Primavera!



           Todos os anos ela vem e transborda amor e alegria, a primavera é um dos eventos anuais que mais amo e admiro a delicadeza das flores, o aroma e sensibilidade que cada uma traz em si, para homenagear esse dia vou postar algumas das fotos que tenho da natureza no meu quintal, espero que gostem!


Fotos Ana Lima

Fotos Ana Lima

Fotos Ana Lima

Fotos Ana Lima

Fotos Ana Lima
Fotos Ana Lima

Fotos Ana Lima

Fotos Ana Lima

Fotos Ana Lima


Se gostou comente!

Profecias de Daniel - Do Palácio ao Pasto #5

Imagem do blog Coisas de Ana

Continuando nossa série de estudos sobre o livro de Daniel, hoje temos o tema:

Do Palácio ao Pasto

          Do dia para a noite o Rei Nabucodonosor perdeu seu trono e foi pastar como um animal.
          Acredita – se que o capítulo 4 foi escrito pelo próprio Nabucodonosor;

Capítulo 1 (605);
Capítulo 2 (602);
Capítulo 3 (594) – 9 anos reconhecimento (Dn 3:29);
Capítulo 4 (568) – 26 anos;

        Outro sonho (Dn 4: 19-26), arvore frondosa que abriga aos animais e todas as criaturas, mas foi cortada;
        Está arvore representa o reino que será tirado do rei e por 7 tempos irá pastar com os animais;
        Por sete anos iria viver com os animais até reconhecer que o céu domina sobre tudo;
        “Se passou 1 ano desde que Daniel havia falado com Nabucodonosor, porém mesmo assim o rei se exaltou em seu coração e passou a não temer a Deus”;
       A boa influencia de Daniel foi precisa para a decisão de Nabucodonosor Ezequiel 33:11;

      Zoantropia: Delírio no qual um indivíduo pensa ter sido transformado em animal.



                        


Fonte: anotações feitas através do estudo do programa Bíblia Fácil.
Se gostou comente!

Profecias de Daniel - Uma prova de fogo para três jovens #4

Imagem do blog Coisas de Ana

Nabucodonosor era um construtor, foi responsável pela construção dos Jardins Suspensos de Babilônia, uma das sete maravilhas do mundo antigo. Afirma que ele fez o jardim para sua mulher Amytis.

Dn 23:46-47; Dn 3 – Mandou construir uma estatua de ouro e colocou no campo de dura, a estatua media 70 (côvados: é a medida da ponta do cotovelo até a mão de um homem ou aproximadamente 45 a 50 cm) ela tinha 30 metros.

Quem não se prostrar-se seria jogado na fornalha de fogo ardente (pena de morte). O que aconteceu no passado vai acontecer novamente (Ap. 13 paralelo a Dn 3).

Daniel                                                                 Apocalipse
  3:1                     Poderoso Soberano                        13:11
  3:2                     Uma imagem falsa                         13:14
  3:5                     Uma adoração forçada                   13:15
  3:2                     União igreja e estado                     13:12
 3:6                      Pena de morte                                13:15
Dn 8-12 (jovens não se prostraram), Dn 3:13-14, o rei lhes dá uma segunda chance, Dn 3:16-18, Isaías 43:2.


Imagem do canal Bíblia Fácil

            Se gostou comente!


Resenha A Fúria dos Reis - As crônicas de Gelo e Fogo livro II #16

Imagem da interne
Sinopse: Quando Eddard Stark, lorde do castelo de Winterfell, aceita a prestigiada posição de Mão do Rei oferecida pelo velho amigo, o rei Robert Baratheon, não desconfia que sua vida está prestes a ruir em sucessivas tragédias. Sabe-se que Lorde Stark aceitou a proposta porque desconfia que o dono anterior do título fora envenenado pela manipuladora rainha - uma cruel mulher do clã Lannister. E sua intenção é proteger o rei. Mas ter como inimigo os Lannister pode ser fatal: a ambição dessa família pelo poder parece não ter limites e o rei corre grande perigo. Agora, sozinho na corte, Eddard percebe que não só o rei está em apuros, mas também ele e toda a sua família. Quem vencerá a guerra dos tronos?
Avaliação: Image and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPic




         O que dizer dessa continuação perfeita de Guerra dos tronos? Estou até agora sem palavras, ou melhor, com as palavras certas, o livro é perfeito, genial, envolvente e totalmente imprevisível. George. R. R. Martin nos impressiona claro, novamente com a continuação de uma guerra que esta longe do fim. A fúria dos reis é mais do que lemos no primeiro livro, claro que temos quase a mesma história que gira em torno dos quase mesmos personagens.

       A trama começa com o surgimento de um cometa que todos acreditam ser um aviso, para as guerras, vitórias (da casa Lanninster devido à cor do cometa) e a volta da era de Dragões (casa Targaryen).

        Claro que o personagem desta obra é o Lanninster “mais gente boa que existe”, o Tyrion Lannister, o personagem do anão é tão importante quanto foi Eddard Stark no primeiro livro. Tyrion deixou o status de: “anão dependente” para: “anão independente, determinado audacioso e sagaz“ o personagem nos é revelado com um desejo de justiça e consegue por um tempo a pratica- la, mas como já conhecemos G. R. R. M. sabemos que ele dá um remelexo na história e pronto tudo muda (não pense ainda pelo lado negativo!).

         Aparecem também outros personagens que antes só mencionados e poucos vistos no primeiro livro, como o Theon Greyjoy (aff! personagem desprezível) revelado agora como um cara sem caráter e muito, mas muito mal, e agora também Davos Seaworth, (fator principal na batalha para destruir o Rei Louco).

      Confesso que estou apaixonada pela obra e seus personagem tão distintos, o livro é perfeito e tem um estilo totalmente do escritor que nos remete a um século gelado e quente ao mesmo tempo, estou maravilhada pela forma como G. traz a história ele não tem medo de matar, quebrar ou envolver seus personagens num circulo tentador e viciante de acontecimentos que muitas vezes são bem cruéis.

      Seus personagens são diversificados, claro que o leitor se apega aos Starks que neste livro aparecem com frequência em suas dores e sofrimentos, menos o lindo e magnífico Rei Robb (G. R. por favor não o mate nos próximos volumes, kkk) que não tem um capitulo seu, mas é mencionado pelos outros sempre como grande e vencedor de muitas batalhas, também temos o belo e jovem Snow (não consigo esconder meus sentimentos Kkkk) que neste volume esta mais determinado em encontrar seu tio o Benjen Stark.

      Temos também as princesas Sansa e Arya duas irmãs tão deferentes que chego a crer que G. R. R. M. brinca um pouco com o leitor, Sansa nasceu para ser da corte, se casar e trazer belos filhos ao mundo, fraca e medrosa ainda está sobre o poder de Cercei, já Arya (conhecida também por Cara de cavalo, Aryn, Doninha) é a Stark mais determinada, forte, guerreira e corajosa, a coitada sofre o pão que o diabo amassou, mas não desiste de retorna a sua querida Winterfell.  A Sra. Catelyn é praticamente a mesma, mas próxima de Robb ela tenta o ajudar de todas as maneiras, mas agora teme pelo mais novo inimigo o “Rei Stannis” pode se disser assim.

        Também temos Bran e Rickon os únicos Stark que permaneceram em Winterfell. Neste livro G. R. R. M. traz algumas revelações sobre a personalidade do pequeno e aleijado Bran (francamente gostei muito da participação de Bran neste volume), ele esta mais forte e parece não ter tanto medo da guerra e de perdas, Rickon ainda é um garotinho que choraminga pela mãe e os irmãos distantes e às vezes pelo pai.

Por fim a nossa mãe de Dragões a forte Targaryen Daenerys que teve poucas participações, mas que foram com certeza decisiva, agora totalmente outra pessoa como a própria afirma em suas passagens no livro, particularmente adorei o que G. fez com a personagem, a colocou no centro e também na luta pelo trono de ferro, o que deixa a história mais emocionante do que já é.

        Enfim livro perfeito, história perfeita, personagens perfeitos, desfecho perfeito, não poderia esperar menos de G. nesta continuação perfeita, agora só resta maravilhar-me um pouco mais com “Tormenta de espadas”.

          Se gostar comente.


Crítica: Rei Arthur: A Lenda da Espada #17

Imagem da internet






Arthur (Charlie Hunnam) é um jovem das ruas que controla os becos de Londonium e desconhece sua predestinação até o momento em que entra em contato pela primeira vez com a Excalibur. Desafiado pela espada, ele precisa tomar difíceis decisões, enfrentar seus demônios e aprender a dominar o poder que possui para conseguir, enfim, unir seu povo e partir para a luta contra o tirano Vortigern, que destruiu sua família.

Avaliação: Image and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPic



São aproximadamente 30 produções inspirada na famosa lenda sobre o Rei Arthur algumas delas bem aceitas outras nem tanto, A lenda da Espada vem com uma pegada nova, o moderninho Rei Arthur é um galã cheio de marra e piadinhas prontas ao gosto do freguês, que alias abriu os braços e recebeu de forma bem humorada a ele.

O que dizer dos atores? São bons né!? Sim, alguns rostos conhecidos outro não como o próprio king interpretado por Charlie Hunnam um gangster da idade Média aspirante a rei, ficou mais conhecido por interpretar justamente o Rei Arthur, sim ele atuou em Z – a cidade perdida, A colina Escalarte nada tão grandioso, atua muito bem fazendo com que nenhum outro personagem se sobressaia ao seu. Jude Law dá vida aqui ao amável Vortigern sem muitas considerações a ele, ainda temos Astrid Bergès-Frisbey como a maga, e os atores Erik Bana por Uther Pendragon e Djimon Hounsou por Bedivere.

A fotografia é relevante sem muitas surpresas, agora o figurino é um show de moda contemporânea, me diz ai em que filme medieval você veria um rei com corte tão moderno estilo slicked back hair do David Beckham e alguns personagens com toucas e calças bem justinhas? Em Rei Arthur e a Lenda da Espada você verá! E falando em David Beckham ele também faz uma pequena participação na trama.

A trilha sonora é fantástica sem dúvida um acorde perfeito a musica de entrada é linda e cheia de efeitos, lembra Senhor dos Anéis o Retorno do Rei até mesmo pela releitura da cena da Batalha de Pelennor. Mais que destaque para a The Devil and The Huntsman de Sam Lee.

A Lenda:

Aqui temos um Arthur diferente do tradicional, órfão de pai e mãe ele é criado por prostitutas até encontra o seu futuro não tão desconhecido, fugindo totalmente dos relatos místicos de ser criado pelo Mago Merlin do qual não se ver sombra dele ou de Guinevere e muito menos Lancelot (suspeito de que possíveis continuações se esquivarão do tradicional) pelo menos vemos ali a távola redonda e alguns gatos pingados de cavaleiros e a nossa estrela Excalibur.

SPOILER o engraçado é que Arthur não quer seu legado, não quer ser o rei, não lembro - me de ver tal situação em outros filmes que conte a história é com certeza um fato interessante.

A cena:

A cena mais maçante é a decisão de Arthur por salvar seus amigos que estão em perigo da qual os produtores não fazem tanto uso da tecnologia (pelo menos é o que parece) ficou bem real e atrativa, pois em cenas seguintes os efeitos especiais não são tão legais assim, deixando a desejar. Sem falar que essa cena é pura ação e adrenalina.

Um aspecto negativo é a falta de explicação dos fatos que por si só não se explicam, pra quem não é conhecedor da história fica literalmente a ver navios, mas é algo que não interfere muito.


O mito novamente ganha um novo titulo, um grande filme com um belo elenco e doses singelas de humor suprindo temporariamente a necessidade de uma produção que encantasse o público e assemelhando aos posteriores.


                  


Se gostou comente!

Profecias de Daniel - Uma Estátua Assustadora #3

Imagem do blog Coisas de Ana

Um sonho que a mais de dois mil anos vem revelando a história da humanidade. O sonho de Nabucodonosor que é mesmo que caldeu e significa: “Prece dirigida ao Deus Nabu por proteção” (império Neobabilônico) tem mais 2.500 anos de história e é tão atual para nossos dias como o jornal que lemos todas as manhãs.

Daniel teve quatro visões durante todo o livro em Dn. 2:1-2 O rei não sabia o sonho, se os magos não o revelassem eles morreriam (11-12). Daniel buscou a Deus em oração e ele revelou o sonho (19). Daniel foi à presença do rei para revelar o sonho (26-45) com as seguintes interpretações:

Babilônia: “Tu és a cabeça de ouro”, o reino de Nabucodonosor durou de 605 a.C... 539 a.C.
Medo-Persa: “Depois de ti, se levantará outro reino inferior ao teu” (Dn 5:26-28) o reino de prata.
Grécia: “É um 3° reino, de bronze, o qual terá domínio sobre toda a terra (Greco-Macedônico)”, 331 a.C...168 a.C.
Romanos: “O quarto reino será que quebra todas as coisas”, 168 a.C...476 a.C, o reino de ferro.
Imagem do blog Coisas de Ana

Depois deste ultimo reino veio se juntar ao ferro os dez dedos de barros ou as dez nações barbaras, 352 a 476, principalmente as Germânicas:

1. Os Álamos (352) Alemanha;
2. Os Francos (352) França;
3. Bargundos (406) Suíça;
4. Vândalos (406) Extintos;
5. Suevos (406) Portugal;
6. Visigodos (408) Espanha;
7. Sanxoes (449) Inglaterra;
8. Ostrogodos (453) Extintos;
9 Lombardos (453) Itália;
10. Hérulos (476) Extintos;

Nos dias atuais a pedra que será jogada sem auxilio de mãos destruirá os pés da estatua. Lembrando que são pequenas anotações sobre o tema, se quiser conhecer mais clique no vídeo abaixo e tenha um estudo completo, se gostou comente.